quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Canção Do Mar- Dulce Pontes

Sinto cada célula do meu corpo a vibrar com este som num êxtase inconfundível, sinto que a minha alma se transforma sem limites, vagueia por aí, sonhando...
O corpo flutua.. deixo-me levar. Não há nada que eu não seja capaz de concretizar porque eu sou o mar e o mar sou eu!
Agora nós... olho-te nos olhos, deixo-te ver a minha alma e sentir o meu corpo, transformo-me, deixo que sintas o que estou a sentir e entrego-me totalmente! Agora leva-me, leva-me para onde fores, deixa-me sonhar contigo!
O som está no fim... sinto a realidade a voltar, a alma penetra no corpo friamente como se fosse ser acorrentada! Não quero... Não quero que o meu corpo seja a prisão da minha alma... Não termines canção do mar, não te vás sonho bom....
Abro os olhos, estou de novo no meu corpo, sinto os odores que flutuam no ar, o corpo continua dormente mas logo logo vai esquecer este sonho e tudo voltará ao normal, às rotinas stressantes do dia a dia, sem tempo para pensar, sorrir, sentir... Mas a alma esforça-se para manter no ouvido e no pensamento o som que flutua, que transforma, que me guia....
Play de novo e novos voos, novas sensações, novos sonhos, um repeat mental e estou preparada para mais um novo dia...

Patrícia Silva
26.02.2009

2 comentários:

Moonlight disse...

...porque existem sons e melodias que nos transportam para longe de nós...

Bia Firpo disse...

Vc conhece um livro chamado Zorba, O Grego? Tem o filme, mas o livroé incomparável, e esse som me remeteu a ele, ao Zorba do meu imaginário literário.